top of page

Ministro do STJ afasta Súmula 691 do STF e revoga prisão preventiva.


⭕ O ministro Ribeiro Dantas, do Superior Tribunal de Justiça (STJ) afastou a Súmula 691 do Supremo Tribunal Federal, e admitiu habeas corpus, determinando a revogação da prisão preventiva de um acusado de tráfico.


Sem verificar qualquer dado concreto que demonstrasse o perigo em caso de liberdade do acusado, o ministro Ribeiro Dantas, do Superior Tribunal de Justiça, revogou a prisão preventiva de um homem detido por portar 96 gramas de maconha.


📢 A Súmula 691 do Supremo Tribunal Federal não admite que seja impetrado novo pedido de habeas corpus contra decisão que tenha negado liminar de outro habeas corpus.


"Súmula 691, STF: Não compete ao Supremo Tribunal Federal conhecer de habeas corpus impetrado contra decisão do relator que, em habeas corpus requerido a tribunal superior, indefere a liminar."


Todavia, o ministro entendeu que havendo ilegalidade na decisão, excepcionalmente, a súmula pode ser superada e o mérito analisado. Assim, ele decidiu revogar a prisão preventiva do paciente e determinou a aplicação de medidas cautelares, que ficarão a critério do juízo de primeiro grau.


O acusado teria sido preso em flagrante com duas porções de maconha. A prisão foi convertida em preventiva. A 14ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo negou liminar em HC e o paciente impetrou novo HC ao STJ.


Ao STJ, a defesa ressaltou que o homem é primário, tem bons antecedentes, exerce atividade lícita e possui residência fixa. Desta forma, ele pediu o reconhecimento do tráfico privilegiado, a mudança do regime inicial e a concessão de liberdade provisória ao acusado.


📃O Ministro relator entendeu que a prisão preventiva estava fundamentada apenas na gravidade abstrata do delito e em elementos inerentes ao próprio tipo penal, ou seja, na própria apreensão de drogas, não havendo fundamentação concreta apta a manter a prisão preventiva do réu.


“No caso, segundo se infere, o julgador não trouxe qualquer dado concreto que demonstre o periculum libertatis. O decreto preventivo está fundamentado apenas na gravidade abstrata do delito e em elementos inerentes ao próprio tipo penal (apreensão de drogas). Ademais, nem mesmo a quantidade de droga apreendida – 96g de maconha – isoladamente, autorizaria o encarceramento cautelar, sobretudo porque certificada a primariedade do paciente.”


Além disso, ele ressaltou que a quantidade de droga apreendida, de forma isolada, não autorizaria, por si só, a prisão, mormente porque a primariedade do paciente foi certificada nos autos do processo.


📚 Fonte: Superior Tribunal de Justiça; Canal Ciências Criminais.


⚠️ Quer saber mais? Deixe nos comentários tuas dúvidas ou envie-as pelo WhatsApp, no telefone (41) 99191-22230.


#direito #advogado #amodireito #direitopenal #concurseiro #concursopublico #codigopenal #codigodeprocessopenal

8 visualizações0 comentário
social-whatsapp-circle-512.webp
bottom of page